Facebook
| PT ES |
Agora:
16 ºC
Castelão
 

Origem
João de Santarém, na rotulagem do VQPRD Ribatejo, sub-região Santarém.
Periquita, na rotulagem conforme ponto 1-A do Art. 17º do Reg.(CEE) nº 3201/90, com a redacção do Reg.(CE) nº 609/97.
A variabilidade genética do rendimento (CVG de 13,66) começa a ser limitada. A maior heterogeneidade genética está no Alentejo (CVG de 15,69). Os clones oriundos do Ribatejo são os mais homogéneos geneticamente (CVG de 2,88), ficando os clones vindos da região de Setúbal, embora com maior variabilidade, muito aquém das regiões do Alentejo e Oeste.

Gonçalves, Elsa M.F., 1996. Variabilidade Genética de Castas Antigas de Videira, 76p. Relatório de Fim de Curso, I.S.A., Lisboa.

Morfologia
Extremidade do ramo jovem aberta, com orla ligeiramente carmim e elevada densidade de pêlos prostrados.
Folha jovem amarelada, página inferior com elevada densidade de pêlos prostrados.
Flor: Hermafrodita
Pâmpano verde, com gomos verdes.
Folha adulta de tamanho médio, pentagonal, com cinco lóbulos; limbo verde médio, irregular, medianamente bolhoso, página inferior com elevada densidade de pêlos prostrados; dentes médios e convexos; seio peciolar pouco aberto, com a base em chaveta, seios laterais abertos em V.
Cacho médio, cónico-alado, compacto, pedúnculo curto.
Bago arredondado, médio e negro-azul; película medianamente espessa, polpa firme.
Sarmento amarelado.

Comportamento
A Castelão é considerada casta-referência para os estados fenológicos das castas tintas.
Abrolhamento: Precoce.
Floração: Precoce.
Pintor: Época média.
Maturação: Época média.
Porte erecto. Vigorosa. Boa produtividade. Tendência para rebentação múltipla.
Sensível ao desavinho.
Pouco sensível à podridão, no período de maturação. No período de floração é sensível à podridão, que ataca o pedúnculo do cacho.
Pouco sensível ao oídio.
Bastante versátil, adapta-se bem a terrenos húmidos.
Casta temporã, adaptável a várias situações edafo-climáticas, que agradece contudo solos de média a baixa fertilidade para exprimir todo o seu potencial enológico. Encontra nos podzóis da Península de Setúbal o seu solar de excelência.
Exigente em potássio e sensível a excesso de azoto, que lhe promove o desavinho. A sensibilidade ao desavinho é uma característica da casta que se atenua muito com a utilização de materiais vegetativos (garfos) provenientes de Selecção Massal de Clones (piloclonal) e com práticas de fertilização racionais.
Na Estremadura era tradicionalmente podada à vara, mas recentemente, com a crescente introdução dos materiais seleccionados, tem-se disseminado o uso de poda curta, com melhorias consideráveis da qualidade.
Apresenta porte semi-erecto, carece de poda em verde e agradece práticas de maneio que lhe aumentem o arejamento, principalmente na época da floração.
Muito sensível à traça da uva.
Sensível às doenças do lenho.

CONTRIBUIÇÃO DA DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA DO RIBATEJO E OESTE (DRARO). Luís E. Carvalho; Kátia G. Teixeira; João Melícias Duarte, Delfim Madeira. DIVISÃO DE VITIVINICULTURA

Potencial
A cor e o grau alcoólico dos vinhos é razoável.
Normalmente constitui uma casta de lote, mas na região vitícola de Palmela, produz vinhos elementares bem estruturados, ricos em aromas primários quando jovens, macios e alcoólicos.
CONTRIBUIÇÃO DA DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA DO RIBATEJO E OESTE (DRARO). Luís E. Carvalho; Kátia G. Teixeira; João Melícias Duarte, Delfim Madeira. DIVISÃO DE VITIVINICULTURA

Selecção
Possui clones certificados.
(Rede Nacional de Selecção da Videira)

Castelão T, clone 29 EAN:
Muito bom rendimento, com teor alcoólico elevado, acidez total média e elevado teor em substâncias da cor. Elevado potencial enológico, o qual se baseia na qualidade do seu perfil aromático e na distinção e persistência gustativa dos vinhos.

Castelão T, clone 30 EAN:
Rendimento médio, com um bom equilíbrio de características qualitativas.

Castelão T, clone 31 EAN:
Muito bom rendimento, com bom teor alcoólico e de acidez total. Elevado teor em substâncias da cor. Potencial enológico bastante elevado, o qual se manifesta pela distinção do seu perfil aromático e pela complexidade e persistência gustativa dos vinhos.

Castelão T, clone 32 EAN:
Bom rendimento, com teor alcoólico médio, acidez total média e elevado teor em substâncias da cor.

Castelão T, clone 33 EAN:
Bom rendimento, elevado teor alcoólico, elevada acidez total e elevado teor em substâncias da cor. Bom potencial enológico, o qual se traduz pela qualidade do seu perfil organoléptico, quer em termos aromáticos quer em termos gustativos.

Fonte: www.iniap.pt
A REGIÃO DA BAIRRADA
Apontamento Histórico
Mapa Região Demarcada
Estação Vitivinícola da Bairrada
Escola de Viticultura da Bairrada
Museu do Vinho Bairrada
Imagens para viver
Vídeos CVB
Parceiros e Links
Notícias e Iniciativas
CVB
Apresentação
Associados CVB
Câmara de Provadores
Certificação de Vinhos
Laboratório EVB
Administração
Edição e Docs
CASTAS
Tintas
Brancas
Concurso Melhores Vinhas
VINHOS
Características Organolépticas
Como provar
Confraria dos Enófilos da Bairrada
Concursos CVB
O Que Dizem os Media
NOVOS VINHOS
Últimos rotulos adicionados
@ 2009 Comissão Vitivinícola da Bairrada
Todos os direitos reservados. Política de Privacidade
MA Digital