Facebook
| PT ES |
Agora:
7 ºC
Plano de Acção para a Viticultura Bairradina
1. Diagnóstico

É visível um mal estar ou crise na Região da Bairrada no sector vitivinícola – que não será muito diferente da conjuntura nacional, porventura com maior gravidade ou com maior visibilidade. Admitimos que à crise económica conjuntural, o estado actual da viticultura Bairradina seja um factor cumulativo desta crise.

Em todo o caso, o que nos parece mais preocupante é o facto de há 5 anos a Região, através da sua Comissão Vitivinícola, ter realizado um evento tendo como principal objectivo diagnosticar a Região e apontar caminhos rumo ao futuro, para o qual foram convidados especialistas quer da área vitícola, quer enológica e onde a comunidade regional – agentes económicos, técnicos,… participou vivamente e dela saíram documentos escritos que testemunham e apontam caminhos.

No que se refere à viticultura, nós próprios, de parceria com credenciado especialista na área – François Murisier, para além das comunicações orais (que a CVB passou a escrito e publicou) estudamos e elaboramos um texto (Potencialidades vitivinícolas da Bairrada), que a CVB também publicou. O que nos parece preocupante é o facto de 5 anos volvidos, no essencial este documento está actual! neste sentido com algumas notas, anexamos a este escrito o referido texto que consideramos parte integrante do actual diagnóstico.

Questionamo-nos: o que se passou tecnicamente na Bairrada neste 5 anos ? - Não há tecnologia vitícola ? - Não há divulgação do conhecimento ? (publicações,…..) ? Sem prejuízo dalguma resposta afirmativa a tais questões, cremos que a principal causa da crise vitícola da Bairrada assenta num profundo défice de comunicação, de formação, de confiança e de auto-estima. Nos tempos que correm ninguém se pode fechar sobre si próprio.

A não confiança recíproca, a débil produção de conhecimento e a escassez de sinergias, fragilizaram todas e cada uma das partes, fragilizando essencialmente a Região. A criação de alguns campos “exploratórios” de experimentação e divulgação – “observatórios” poderão ser muito úteis, sobretudo se os respectivos agentes económicos estiverem efectivamente empenhados – e temos até à data indicadores seguros de que de facto o estão! Mas estes “campos” só por si pouco farão avançar se os próprios Organismos Regionais não os sentirem “seus campos”, seus instrumentos de apoio.

A formação deverá em primeiro lugar dirigir-se aos agentes já envolvidos neste “observatórios” e terá de ser orientada aos “pontos fracos” ou estrangulamentos da Região. Se assim for e as forças do sinergismo superarem os estrangulamentos, bloqueios ou não comunicação, então a Região da Bairrada poderá e deverá dar um salto em frente – que urge e necessita! É com este espírito que estamos no Plano de Acção para a Vitivinicultura Bairradina.

2. Proposta de Plano de Acção (segundo DSPAA)


Áreas de Intervenção

Objectivos:
1 – Clarificar o lugar da Baga no contexto regional. A Baga é um património inquestionável, tem de ser preservado e potenciado. Isto significa assumir que apenas deverá estar implantada nos locais adequados – “grosso modo” nos terrenos argilo-calcários e terá de ser conduzida de moldes a produzir uvas de qualidade – sãs e bem maduras (obrigatoriamente à custa da adequada gestão da vegetação e controlo do vigor e microclima);

2 – Encontrar castas complementares para o encepamento da Bairrada – quer para lotear com Baga, quer para tornar economicamente viável a viticultura nalguns solos onde a Baga não poderá estar em cultura (Merlot?, Syrah?, Jaen?, Roriz?);

3 – Decididamente rever o tipo de manutenção do solo. A técnica tradicional e na prática consagrada em toda a região, da mobilização total do solo (que não mobilização mínima ou parcial!) é um perfeito atentado a uma eficaz manutenção da vinha (pela preservação do solo, operacionalidade das máquinas, sanidade e tratamentos fitossanitários).

Estratégias: actuar de imediato nos “campos experimentais/observatórios” em conformidade com os objectivos atrás referidos. Levar avante formação, tendo em conta as maiores fragilidades técnicas locais.

Indicadores de acompanhamento e avaliação de resultados:
- microclima;
- podridão;
- maturação (oportunidade de vindima – uvas sãs e bem maduras)

Os trabalhos a desenvolver/Plano de Acção de verão conduzir a maior regularidade das vindimas com ganhos globais superiores a 30% (açúcar, cor, sanidade das uvas)

Área de intervenção definidas
1 -
Criação de campos “observatórios” – estão em curso;
2 - Formação – exposição de temas e trabalhos sobre o terreno nos “campos”;

Calendarização
1 - Acompanhamento permanente dos campos;
2 - Curso a definir para final de Julho;


3. Análise da situação de referência (segundo DSPPA)/análise SWOT

Forças: agentes económicos interessados

- Já o demonstraram pela amável cedência das suas vinhas e participação activa nos “campo/observatórios” já em marcha.
- Castas com imagem forte Maria Gomes e Baga (esta altamente problemática quando incorrectamente conduzida ou localizada).

Fraquezas: défice de comunicação
- Frágil produtividade de “conhecimento”.
- Baixa confiança, formação e auto-estima.
- Tecnologia inadequada para a casta Baga (% elevada na Região)

Oportunidades:
- Criar campos/observatórios (estão em marcha);
- Actuar “sobre o terreno” com os próprios agentes económicos e sustentar e potenciar as boas imagens que existem;
- Saber e procurar criá-las.

Ameaças:
- São uma realidade – o estado actual da “fileira” é o principal indicador
- Ou a tecnologia vitícola regional e a imagem se torna mais credível ou dias mais amargos serão de esperar na Bairrada.

4. Ponto da situação actual


1. Após indicações da CVB e análise conjunta na EVB, chegamos à 1ª aproximação dos “campos” que serviriam de “observatórios” e sobre os quais seriam introduzidas alternativas culturais e monitorizando os efeitos (colheita e tratamento dos dados). Este 1º documento está já elaborado e foi disponibilizado quer à CVB quer à DRABL.

2. Após total implantação de todos os campos “observatórios”, será então realizado o 1º curso - formação para os intervenientes no ponto 1 (Agentes directamente envolvidos nos “campos-observatórios”, assim como técnicos da CVB e da EVB envolvidos no Plano de Acção.

3. Como principais objectivos a atingir, genericamente para todos os campos serão procurados “itinerários culturais” que proporcionem melhores resultados que os actuais, avaliados directamente pelos parâmetros rendimento e qualidade e indirectamente ao longo do ano pelos parâmetros conducentes a tais resultados tais como níveis de fotossíntese, vigor, microclima,…, estado sanitário das uvas ,….

4. Gradualmente serão elaborados relatórios de progresso que atestarão o andamento dos trabalhos. Neste âmbito foi já elaborado o 1º relatório à identificação dos campos experimentais e observatórios sujeito a apreciação final da CVB e o 2º relatório constitui o anexo 4 deste dossier.

5. Decorrente do diagnóstico realizado genericamente poderemos classificar a Bairrada como Região de tecnologia vitícola pouco adequada à conjuntura actual, aos hábitos de vegetação da sua principal casta (Baga) e como amanhos culturais (manutenção do solo) inadequados ao tipo de solo dominante (argiloso) e ao seu clima (chuvas frequentes à vindima e na Primavera).

Com o início da “Acção” em 2004, já depois das operações culturais realizadas só pontualmente foi possível actuar de modo diferenciado sobre o terreno – sendo no entanto objecto prioritário nas acções de formação e nas acções sobre o terreno em 2005.

6. A evolução da maturação e a caracterização das colheitas (amostragem de bagos, micro e médias vinificações,…) merecerão a maior atenção e deverão contar com o indispensável apoio laboratorial e da adega da EVB, sem o qual o “Plano de Acção….” seria precário. (para mais informações, consultar – Anexo/parte integrante do contrato de prestação de serviços).




PDF
"Plano de Acção para a Viticultura Bairradina"
Relatório Final
Dezembro de 2005

PDF
Auditório da Estação Vitivinícola da Bairrada
4 de Novermbro de 2005

PDF
Auditório da Estação Vitivinícola da Bairrada
11 de Maio de 2006

PDF
Acção de Formação - Intervençoes em Verde
17 de Maio de 2006

PDF
Vitivinicultura, Bairrada, Que Futuro?
Lançamento do Livro: "Tecnologia Vitícola"
Anadia, Auditório da Estação Vitivinícola da Bairrada
27 de Junho de 2007
 
  Imprimir   |      Recomendar   

Ask  Ask
Delicious  Delicious
Digg  Digg
Facebook  Facebook
Google  Google
LinkedIn  LinkedIn
Live  Live
Multiply  Multiply
MySpace  MySpace
Reddit  Reddit
StumbleUpon  StumbleUpon
Tumblr  Tumblr
Twitter  Twitter
Y! Bookmarks  Y! Bookmarks
A REGIÃO DA BAIRRADA
Apontamento Histórico
Mapa Região Demarcada
Estação Vitivinícola da Bairrada
Escola de Viticultura da Bairrada
Museu do Vinho Bairrada
Imagens para viver
Vídeos CVB
Parceiros e Links
Notícias e Iniciativas
CVB
Apresentação
Associados CVB
Câmara de Provadores
Certificação de Vinhos
Laboratório EVB
Administração
Edição e Docs
CASTAS
Tintas
Brancas
Concurso Melhores Vinhas
VINHOS
Características Organolépticas
Como provar
Confraria dos Enófilos da Bairrada
Concursos CVB
O Que Dizem os Media
NOVOS VINHOS
Últimos rotulos adicionados
@ 2009 Comissão Vitivinícola da Bairrada
Todos os direitos reservados. Política de Privacidade
MA Digital